Quem disse que de Espanha nem bom vento?…

Boa noite minhas queridas amigas,

A minha ida neste último fim-de-semana a Sevilha não podia ter corrido melhor, pois juntei o útil ao agradável e ainda apanhei por lá um tempo fantástico… Enfim, o agradável deixo-o para mim, agora o útil gostaria de partilhar convosco…

Como há já algum tempo andei de olho numa marca grega, a Korres, sobre a qual tenho lido coisas bastante positivas, uma visita ao El Corte Inglês de Sevilha não podia ter calhado melhor. Devo dizer-vos que a marca em causa só usa ingredientes naturais, tendo preços médios e inúmeros produtos best-seller.

A Korres, bem como uma outra, a Apivita (também ela uma marca grega e natural), estão à venda, para além da Weleda, da Dr. Hauschka e de dezenas de outras na secção de “Parafarmácia” desta cadeia, a preços bem mais simpáticos que alguns sites internacionais oferecem (a título de curiosidade, um óleo da Weleda anti-celulite custava 16,80€, enquanto num site muito conhecido o mesmo custa 25,00€!).

Escusado será dizer que perdi mais de 1 hora na dita secção, vasculhando tudo e mais alguma coisa, e apesar da variedade de produtos não ser muita, ainda consegui umas belas comprinhas, aproveitando um desconto de turista de 10%, que a cadeia estava a fazer em todos os departamentos.

Resumindo, comprei 2 máscaras da Korres (a de iogurte para hidratar e a de rosa mosqueta para iluminar), um esfoliante de mel e tomilho e um hidratante de rosa mosqueta com SPF6 (a maior protecção encontrada) da mesma marca. Ainda mimei a minha cara metade com um champô Korres para o fortalecimento de cabelo.

Da outra marca grega, a Apivita, também comprei um óleo de massagem à base de chá verde e pimenta vermelha, o Body Shape, bem como um champô para cabelo oleoso à base de rosmaninho e propólis. Tudo isso a um preço total semelhante ao que custa um bom perfume.

Korres Portugal

As impressões e descrições sobre os ditos produtos não tardarão a aparecer já nos próximos dias, até porque já comecei a testá-los aos poucos (não me contive, claro)…

Apesar deste El Corte Inglês não ser tão sofisticado, cuidado e bem organizado como os nossos, vim de lá com a sensação que as espanholas têm muito mais sorte no que diz respeito à variedade…

Mesmo nas prateleiras muito empoeiradas e pouco arrumadas podemos encontrar uns “tesouros”, que em Portugal são muito caros e pouco acessíveis. Enfim…